Parque São José ficará dentro das terras são-joseenses


Com nova regularização, área se torna definitivamente como de SJP em 2020. Décadas antes, foi planejada ao Coritiba nos anos 60 e entregue ao Atlético nos anos 70.

Blog Single O Parque São José é uma área de lazer de 649 mil m² com origem para diminuir enchentes
24 anos depois da desapropriação, no mandato do governador Jaime Lerner, do clube social do Atlético Paranaense, em Curitiba, localizado na divisa com São José dos Pinhais, no antigo PAVOC (Parque Aquático Vila Olímpica Cornelsen), e que em 2011 se tornou Parque São José, a área é motivo de acordo entre as cidades para ser um parque em terras são-joseenses.

Desapropriado na construção das cavas do Rio Iguaçu e contensão de cheias no bairro são-joseense Cidade Jardim, na virada do século, o local ficou abandonado pelo Estado tendo somente a localidade do Batalhão da Polícia Florestal do Paraná como referência do que um dia foi um parque particular.

Há alguns anos, Prefeitura de Curitiba e de São José dos Pinhais, com técnicos da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) e do antigo Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG), atual Instituto Água e Terra (IAT), mais Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), formalizam a reorganização da divisa entre os municípios, nos trechos que mudaram com as cavas de contensão, em proposta denominada Ajuste do Limite Entre os Municípios de Curitiba e São José dos Pinhais.

Para ficar justo o repasse de onde é Curitiba e está o Parque São José para São José dos Pinhais, a Capital assumirá terras são-joseenses ao lado que ficam dentro da Reserva Ecológica do Cambuí.

O Parque São José é uma área de lazer de 649 mil m², gerido pela Prefeitura de São José dos Pinhais, um pouco maior que seu parque vizinho, também banhado pelas cavas do Rio Iguaçu, o Parque Náutico, com 589 mil m², administrado via a Prefeitura de Curitiba. Nos fins de semana, cerca de metade dos frequentadores do parque em São José dos Pinhais também são da Capital e região.


De campo do Coxa, depois CAP, às enchentes e parque são-joseense
De propriedade da Família Cornelsen, tradicional grupo de empreendedores do bairro Afonso Pena no século XX, o local foi pensado pelo empresário Aryon Cornelsen, e presidente do Coritiba Footbal Club a partir de 1958, como um clube de treinamento do Coxa, para 1963. O projeto encomendado ao seu irmão, o famoso arquiteto Airton (Lolo) Cornelsen, ainda seria uma Vila Olímpica destinada a outros esportes como atletismo, basquete e vôlei, e ainda um hotel, com apartamentos de luxo, restaurante e cinema para garantir a sustentabilidade financeira do complexo, denominado Parque Aquático Vila Olímpica Cornelsen (PAVOC).

Porém, em 1973, quem se interessou pelo espaço e a ideia de um clube social com títulos a sócios pessoa física, foi o arquirrival Clube Atlético Paranaense (CAP).

Um contrato mal negociado, pela estrutura projetada que não veio, fez com que o Atlético ficasse com a área em 1983, que também não soube administrar o clube social e nem implantar um clube de treinamento moderno do Furacão.

A desapropriação pelo governo do Estado em 1966 gerou caixa para a compra de terreno e construção do Clube de Treinamento do CAP, em Curitiba, no Umbará.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: