Operação policial surpreende “turismo de caça” no Castelhanos


Área de Mata Atlântica de São José dos Pinhais tem onça, anta, catetos, veados e outros animais em extinção

Blog Single Estrutura de apoio aos caçadores, segundo polícia, tinha pernoite, armas, cães farejadores e guias
Uma grande operação, ontem (27), coordenada pela Polícia Civil, via a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, com apoio do Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressões Especiais), atendeu a mandado de busca e apreensão para encerrar uma forma de “turismo de caça” na área rural de São José dos Pinhais, na Colônia Castelhanos. A medida, iniciada com denúncia anônima, trata de uso de motosserras para desmatar áreas de plantio de banana, extração de madeira nativa na fabricação de móveis e porte ilegal de arma de fogo. O uso de armas, e estrutura para recebimento de caçadores, era empregado na caça de bichos como onças, antas, catetos, tatus, veados, aves e outros animais em extinção. Dois homens foram detidos e ainda serão investigados quanto a extração e venda ilegal de palmito.

A clientela, segundo o delegado, Matheus Araújo Laiola, também vinha de fora do Estado, como Joinville, em Santa Catarina. “Encontramos roupas apropriadas, equipamentos como lanternas, apitos e as armas. A propriedade investigada funcionava como pousada, de alvenaria e barracas. Inclusive, cães perdigueiros sofriam maus-tratos, com pouca alimentação, para depois perseguir a caça”, disse o delegado. As investigações prosseguem para verificar participação de outros possíveis envolvidos.


Caça na Serra da Guaricana e Castelhanos
A região que compreende a faixa entre as BRs 277 e 376, entre São José dos Pinhais e o Litoral, na divisa com as cidades de Morrestes e Guaratuba, é um dos principais corredores de biodiversidade do Brasil. A conexão da Serra da Guaricana com a Serra do Castelhanos gera um enorme refúgio de animais silvestres.

Em 2015, uma anta foi morta dentro de área particular localizada na Estrada Velha da Guaricana. A foto flagrante gerou protesto nas redes sociais de São José dos Pinhais, porém, as mensagens a favor do caçador mostraram que a indignação não é mais unânime, com muitos internautas defendendo o atirador.

A preservação de aninais é um dos motivos do Ibama ter dado início, em 2014, via o ICMBio, órgãos ligados ao Ministério do Meio Ambiente, à criação do Parque Nacional Guaricana, com 49 mil hectares, como unidade de conservação federal a ser aberto nos próximos anos.


Políticos em favor da caça
Nos últimos anos, vários projetos de liberação da caça tramitam no Congresso Brasileiro por senadores e deputados. Os autores dizem que a liberação inibiria a caça ilegal, porém, ambientalistas apontam que, como aconteceu no abate autorizado de javalis, no Rio Grande do Sul, a partir de 2005, a atividade regularizada pode se tornar um disfarce de abate de bichos em extinção.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: