SJProspera trata do Miringuava na Semana do Meio Ambiente


Instituição aprovou criação da Câmara Técnica da Bacia do Rio Miringuava. Represa armazenará 38 bilhões de litros.

Blog Single Valor do empreendimento, segundo a Sanepar, é de R$ 87,8 milhões
O Comitê Gestor do Programa de Desenvolvimento Econômico de São José dos Pinhais (SJProspera), entidade voltada ao crescimento sócio econômico da cidade, com participação da Associação Empresarial (Aciap), Sebrae/PR, Câmara Municipal e Prefeitura, se reuniu dia 05 de junho na Aciap, com demais entidades convidadas, como a Associação dos Produtores Orgânicos e dos Meliponicultores (Apromel), para formação de nova Camara Técnica. No Dia Nacional do Meio Ambiente, o SJProspera debateu quanto a obra, pela Sanepar, da represa no Rio Miringuava, na região da Colônia Murici, área rural do município.

O projeto da Barragem do Rio Miringuava faz parte do Plano Diretor SAIC – Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba e Região Metropolitana, com o objetivo de garantir o suprimento de água para São José e outras cidades do Sul da Capital, como Fazenda Rio Grande. Nas fases anteriores, ocorreram as desapropriações de chácaras. Atualmente, encontra-se na etapa de finalização da construção para abertura das comportas e alagamento.

“Diante da complexidade da obra e grande número de pessoas que moram e possuem empresas na região, criamos nesta quarta-feira, dentro do SJProspera, em data tão importante, que é o Dia do Meio Ambiente, a Câmara Técnica da Bacia do Rio Miringuava, para tratar do assunto durante e após a conclusão da represa”, disse o presidente do SJProspera, Claudemir Gibrim, que coordena o trabalho desenvolvido por mais de 90 lideranças do município, intitulado Planejamento Estratégico 2040.

“A reunião foi muito oportuna, com participação de moradores e agricultores das localidades, Sebrae, Aciap, Câmara Municipal, Emater, e outras instituições que podem contribuir com ideias e acompanhar os impactos da proposta”, acrescentou Claudemir Gibrim.

De acordo com a gestora socioambiental da Sanepar, Daisy Mara Jayme, o incentivo à agroecologia, ao turismo rural e ao uso e manejo sustentável do solo e dos recursos hídricos são algumas das iniciativas em andamento. “As conversas prévias e monitoramento do projeto são uma das prerrogativas da Sanepar. Realizamos dezenas de encontros com agricultores, professores das escolas estaduais e municipais, além de moradores para a adoção de práticas sustentáveis e a multiplicação de uma nova cultura conservacionista”, falou Daisy Mara Jayme.

A apresentação técnica foi conduzida por Danieli From, doutoranda e mestre em Gestão Urbana e assessora do SJProspera. “A Sanepar nos forneceu documentos que atestam que há muitos anos existiam planos de construção da Barragem do Miringuava. Todo o material antigo e o novo é muito interessante para a nossa compreensão dos impactos construtivos e o que impactará na vida da população”, comentou Danieli From.


Obra
A Barragem do Miringuava terá capacidade para armazenar 38 bilhões de litros de água. Quando ficar pronta, vai garantir o atendimento à demanda por água tratada dos moradores da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) até o ano de 2030. O valor total do empreendimento é de R$ 87,8 milhões. O volume total de água do reservatório (38 bilhões de litros) corresponde a 15.282 piscinas olímpicas. A altura da barragem será de 24 metros, equivalente a um prédio de oito andares, com extensão de 309 metros.

A bacia hidrográfica do Rio Miringuava é utilizada como manancial de abastecimento público há mais de 30 anos, com a captação de água direta do rio. Atualmente, o sistema Miringuava, incluindo a Estação de Tratamento de Água, vem tratando menos de mil litros de água por segundo. Com a conclusão da barragem, o sistema terá dobrada a capacidade, passando a dispor de dois mil litros por segundo.

PautaSJP.com



Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: