Crianças “velhas” para adoção podem ser apadrinhadas via entidades


Proporcionar aos afilhados convivência familiar e comunitária, fora das casas de adoção, está previsto desde 2017 no Estatuto da Criança e do Adolescente

Blog Single Entre as atividades, passeios com os jovens fora dos locais de abrigamento
Interessados em apadrinhar crianças ou adolescentes que vivem em entidades de acolhimento já podem participar do projeto “Padrinho Torcedor”. A primeira marca a servir como uma plataforma de divulgação é o Clube Atlético Paranaense (CAP, por meio do site http://www.atleticoparanaense.com/padrinhotorcedor/index.html.

A iniciativa foi lançada sábado (28), pelo CAP, e conta com o apoio das Promotorias de Justiça da Infância e Juventude de Curitiba e de Araucária. O objetivo do apadrinhamento, que é voltado a meninos e meninas que já têm idade, em que a adoção é mais difícil, é minimizar os efeitos negativos decorrentes de uma institucionalização de longo prazo, como a falta de cuidado individualizado, a autoestima prejudicada e a dificuldade de interação social.

Existem diferentes modalidades de apadrinhamento, como o afetivo, em que se visita o afilhado regularmente, proporcionando uma relação de família e de troca de afeto, e o provedor, em que é dado suporte material ou financeiro, como o custeio de cursos profissionalizantes.

A partir do lançamento, o Atlético Paranaense promoverá entre seus sócios e torcedores o trabalho das organizações não-governamentais Recriar e Projeto Dindo, entidades parceiras do Clube que trabalham com o apadrinhamento afetivo.


Quem pode apadrinhar
Entre os requisitos para se tornar padrinho estão a disponibilidade para participar ativamente da vida do afilhado, possuir mais de 18 anos e ter ao menos 16 anos de diferença com a criança ou adolescente que deseja apadrinhar, além de participar de reuniões com a equipe responsável pelo programa.

Os programas de apadrinhamento estão previstos, desde 2017, no Estatuto da Criança e do Adolescente que define a modalidade como a possibilidade de proporcionar às crianças e aos adolescentes vínculos externos à instituição para fins de convivência familiar e comunitária.

Acesse http://www.atleticoparanaense.com/padrinhotorcedor/index.html

PautaSJP.com e informações do Ministério Público do Paraná

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: